Escravidão no Brasil

Esclavos en una plantación de café en Brasil en 1882.

O tema de hoje é sombrio, mas faz parte da história do Brasil. Além disso, é também um assunto muito importante, pois deixou um impacto tão duradouro em nossa sociedade. A escravidão no Brasil era um assunto sério, que afetou milhões de pessoas no país durante os períodos colonial e imperial. Quando o Brasil aboliu a escravidão? Vamos dar uma olhada na história da escravidão no Brasil e na Lei Áurea que acabou com tudo isso. Qual era o número de escravos no Brasil? Qual foi a importância do comércio de escravos no Brasil? E quais foram os efeitos da escravidão no Brasil? Mergulhe conosco e aprenda com uma foto a história da escravidão no Brasil.

Escravizados indígenas e africanos no Brasil

A primeira coisa que você deve saber é que a escravidão não afetou apenas as pessoas de origem africana. Quando os portugueses se depararam com os indígenas brasileiros, começaram a escravizá-los e os usavam para ajudá-los a construir cidades – grandes cidades até, como o Rio de Janeiro. Os africanos escravizados só começaram a ser trazidos para o Brasil por volta de meados do século XVI – cerca de quarenta anos após o “descobrimento do Brasil“.

Qual país recebeu o maior número de escravizados da África?

Ao discutir o comércio transatlântico de escravos, é fundamental reconhecer que o Brasil foi o país que recebeu o maior número de escravos da África. Esse fato histórico não é significativo apenas em termos de números, mas também para entender o profundo impacto que isso teve na sociedade, na cultura e na demografia brasileiras.

A escala alucinante do tráfico de escravos no Brasil

Entre os séculos XVI e XIX, o Brasil se tornou o maior importador de escravos africanos do mundo. Estima-se que quatro milhões de africanos foram trazidos à força para seus litorais, o que representou cerca de 40% de todos os escravos trazidos para as Américas. Mas por que os escravos foram trazidos para o Brasil? Esse influxo maciço de escravos foi impulsionado pela economia agrícola em expansão do Brasil, que dependia fortemente do trabalho escravo nas plantações de cana-de-açúcar, nos campos de café e nas operações de mineração.

Certamente, fornecer números comparativos sobre o volume de escravidão no Brasil e nos Estados Unidos pode dar uma compreensão mais clara da escala e do impacto da escravidão no Brasil:

Volume da escravidão: Brasil vs. EUA

Número total de escravos importados:

  • O Brasil recebeu o maior número de africanos escravizados nas Américas. Entre 1525 e 1866, estima-se que mais de 4 milhões de africanos foram trazidos à força para o Brasil, representando cerca de 40% de todos os escravos trazidos para as Américas.
  • Os Estados Unidos viram a importação de aproximadamente 400.000 africanos escravizados quando o comércio transatlântico de escravos terminou oficialmente em 1808. No entanto, a população escrava cresceu significativamente por meio do aumento natural, chegando a cerca de 3,9 milhões em 1860.

Duração da escravidão:

  • A escravidão durou mais de 350 anos no Brasil (do início do século XVI até 1888).
  • No Estados Unidos, a escravidão durou cerca de 246 anos (de 1619, quando os escravos africanos foram trazidos pela primeira vez para Jamestown, até 1865, quando a escravidão foi abolida após a Guerra Civil).

Dependência econômica da escravidão:

  • A economia brasileira dependia fortemente do trabalho escravo por períodos mais longos e em mais setores (açúcar, ouro e café) em comparação com a dos EUA.
  • A economia dos EUA, especialmente nos estados do sul, dependia muito do trabalho escravo para a produção de algodão, tabaco e açúcar, mas também havia contribuições econômicas significativas de outras regiões não escravistas.

Esses números ilustram a enorme escala e o profundo enraizamento da escravidão nos sistemas econômicos e sociais tanto do Brasil quanto dos Estados Unidos. Os altos números e a longa duração tiveram um impacto profundo e duradouro em ambos os países, moldando suas paisagens históricas e culturais de forma significativa.

História da escravidão no Brasil

Se há um lugar onde a escravidão era proeminente, era nas grandes fazendas conhecidas como plantações o que geralmente chamamos de engenho em português. Inicialmente, o principal produto do Brasil era cana-de-açúcar e seus derivados, como o açúcar, cachaça, e melaço. Mais tarde, com o desenvolvimento do Brasil como país e nação, o açúcar foi substituído pelo ouro e depois pelo café. A maioria dos brasileiros pensa em plantações de café quando o assunto vem à tona. Isso se deve ao fato de que eles eram extremamente proeminentes no século XIX e, naquela época, escravidão no Brasil tinha imagens para mostrar. A imagem abaixo é uma delas.

Comércio de escravos no Brasil: Escravos trabalhando em uma plantação de café.
Hoje, mostraremos a você uma foto da história da escravidão no Brasil.

A viagem da África

Os escravos africanos eram trazidos por mar, sendo marcados com ferro quente para identificar seu proprietário e atravessando o Atlântico em navios superpovoados e quase sem comida. As condições nesses navios eram horríveis, e muitas pessoas morriam durante a viagem, sendo jogadas ao mar sem cuidado, para que os traficantes de escravos pudessem navegar mais rápido até o ponto de entrega. O poema Navio Negreiro, de Castro Alves, um famoso poeta brasileiro do século XIX, retrata as cenas horrendas encontradas em um navio como esse.

Comércio de escravos: navio com destino às colônias.

A vida no Brasil e a escravidão

Ao chegar, as famílias eram separadas, as pessoas eram cuidadas e depois colocadas à venda. Homens fortes e crescidos conseguiam um preço mais alto – eles podiam trabalhar facilmente cortando cana-de-açúcar, colhendo café e fazendo trabalhos no campo em geral. As pessoas “mais sortudas” conseguiam trabalhar na casa grande, onde moravam os proprietários das plantações. Em geral, o trabalho doméstico era visto como preferido, pois os maus-tratos não eram tão comuns ou tão severos quanto no campo. O pintor Jean-Baptiste Debret ficou muito conhecido por retratar a escravidão no Brasil em imagens como as que estão abaixo. Prometemos a você uma história fotográfica da escravidão no Brasil, não foi?

Escravidão no Brasil: capatazes punindo um escravo em uma propriedade rural.
Supervisores punindo escravos em uma propriedade rural – J. B. Debret
Passatempos após o jantar.
Passatempos após o jantar – J. B. Debret

Abolição da escravidão no Brasil

O século 19 foi repleto de turbulência com relação à abolição da escravidão no Brasil. Artistas, poetas e afins começaram a usar seus meios para criticar o comércio de escravos e as leis de escravidão do Brasil. O movimento abolicionista, no entanto, apesar de barulhento e eficaz no exterior, demorou décadas para ver algum resultado aqui. O primeiro passo nesse sentido foi dado em 1850, quando o comércio de escravos do Brasil no exterior chegou ao fim legalmente. Daquele dia em diante, o comércio de escravos só poderia ocorrer dentro das fronteiras territoriais do Brasil. Esse foi o início do fim da escravidão no Brasil.

Por volta da década de 1870, vendo todos os seus aliados darem passos em direção à liberdade, ficou claro que o fim da escravidão no Brasil deveria estar próximo. Quando a escravidão no Brasil se tornou o principal tema de discussão, Alberto Henschel, um fotógrafo teuto-brasileiro, decidiu fotografar retratos de escravos, dando um rosto às pessoas que eles procuravam defender. Esses retratos foram recentemente coloridos, e você pode conferi-los aqui. Com isso, o político ativistas como Joaquim Nabuco começou a pressionar mais o governo para libertar todos os escravos. Ele é famoso pela citação:

Não existe liberdade ou independência em uma terra com um milhão e meio de escravos.

Não há liberdade ou independência em uma terra com um milhão e meio de escravos.

Quando o Brasil aboliu a escravidão? A Lei Áurea

Várias leis foram aprovadas para libertar lentamente filhos de escravos, escravos com 65 anos ou mais e assim por diante. E o país aguardava a oportunidade de ver todos os homens livres. Em 1888, o Senado brasileiro finalmente aprovou a Golden Law (Lei Áurea) que marcou o fim da escravidão no Brasil. O momento ficou registrado na história, pois uma multidão se reuniu ao redor dos senadores, testemunhando esse momento histórico no Rio.

O Senado brasileiro aprova a Lei Áurea no Rio de Janeiro. O início do fim da escravidão no Brasil.

No entanto, esse não foi o fim! Parte de toda a burocracia da abolição no Brasil era ter o selo de aprovação da família real; Eles precisavam que o imperador ou seu herdeiro assinasse a Lei Áurea para que ela pudesse ser oficializada; A Lei Áurea foi assinada em 13 de maio de 1888 pela Princesa Isabel, agora conhecida como a libertadora dos escravos, no Palácio Imperial no Rio de Janeiro. Não temos uma foto dela assinando a lei, mas temos uma da multidão do lado de fora do palácio, aplaudindo a princesa.

A escravidão no Brasil terminou em 1888. A multidão aplaude a Princesa Isabel depois de assinar a Lei Áurea que libertou todos os escravos.
Uma história fotográfica da escravidão no Brasil.

Efeitos da escravidão no Brasil

O número de escravos trazidos para o Brasil é gigantesco. Dos 12,5 milhões de escravos trazidos para o continente, Portugal foi responsável por quase 6 milhões deles. E os números são ainda mais alarmantes quando se pensa no fato de que nem todas essas pessoas conseguiram chegar à costa. Cerca de 12% dos escravos morreram a caminho das Américas, o que representa um milhão e meio de pessoas perdidas no mar. Esse é aproximadamente o mesmo número de escravos no Brasil no final do século XIX;

Os efeitos da escravidão no Brasil também foram duradouros. Para começar, um ano após a abolição no Brasil, houve um coup d’état que destronou o imperador e instaurou uma república que pouco ou nada fez para ajudar os escravos libertados a voltarem à vida normal. Muitos ex-escravos continuaram trabalhando nas mesmas plantações que trabalhavam antes de serem libertados. Para eles, a vida no início do século XX não parecia muito diferente da vida no final do século XIX. E se você estiver interessado, muitos livros foram escritos sobre isso, incluindo Menino de Engenho de José Lins do Rego.

Atualmente, apesar de a situação ter mudado um pouco, preconceito ainda não foi erradicado. Infelizmente, a escravidão no Brasil ainda deixa marcas até os dias de hoje. Mas, com sorte, estamos caminhando cada vez mais para uma mudança positiva.

Luta por indenização por escravidão

No Brasil, onde mais da metade da população se identifica como negra ou birracial, historicamente temos relutado em confrontar nosso passado. A desigualdade persiste no Brasil, com indivíduos negros e birraciais afetados de forma desproporcional pela pobreza, encarceramento, mortes violentas e quase nenhum acesso à boa educação e a cargos gerenciais. O movimento de indenização por escravidão no Brasil representa um aspecto crítico da luta contínua do país para enfrentar as injustiças históricas e os impactos de longo prazo da escravidão. Esse movimento busca reparações e mudanças nas políticas para retificar as disparidades socioeconômicas que persistiram desde a abolição da escravidão em 1888. A sociedade brasileira deve um pedido de desculpas aos indivíduos negros por esse período trágico de nossa história.

O Movimento pela Indenização da Escravidão no Brasil

Nos últimos anos, tem havido um reconhecimento crescente no Brasil da necessidade de compensar os séculos de exploração sofridos pelos afro-brasileiros. O movimento não se trata apenas de compensação financeira, mas também inclui demandas por reformas abrangentes de políticas. Essas reformas visam melhorar o acesso à educação, à saúde e à moradia, além de garantir uma melhor representação dos afro-brasileiros em cargos de liderança política e empresarial.

Ativistas e acadêmicos apontam as desigualdades gritantes que continuam a dividir a sociedade brasileira como um legado direto da escravidão. Apesar de constituírem uma parcela significativa da população, os afro-brasileiros frequentemente se deparam com problemas sistêmicos barreiras que limitam suas oportunidades e acesso a recursos. O movimento de compensação argumenta que a abordagem desses desigualdades é crucial para a verdadeira cura e o progresso da sociedade.

Esforços jurídicos e legislativos têm sido parte do diálogo sobre reparações. Por exemplo, políticas de ação afirmativa em universidades e empregos públicos foram implementadas com o objetivo de corrigir desequilíbrios históricos. Além disso, há discussões em andamento no Congresso brasileiro sobre outras legislações reparadoras, embora o progresso tenha sido lento e tenha enfrentado resistência política e social.

O reconhecimento cultural também desempenha um papel importante no movimento de reparações. Há uma ênfase na preservação e na valorização da história e da cultura afro-brasileira, que muitas vezes é marginalizada. Foram lançadas iniciativas para financiar projetos culturais e proteger locais de importância histórica para a comunidade afro-brasileira. No Rio de Janeiro, temos um dia de feriado para nos conscientizarmos de nossas raízes africanas.

O movimento de reparação da escravidão no Brasil continua a evoluir, impulsionado por uma comunidade vibrante de ativistas, acadêmicos e formuladores de políticas. Seu trabalho busca não apenas reparar os erros do passado, mas também promover um futuro inclusivo em que as contribuições e os direitos dos afro-brasileiros sejam plenamente reconhecidos e respeitados.

Vocabulário sobre a escravidão no Brasil

Vamos dar uma olhada no vocabulário relacionado à escravidão e ao tráfico de escravos no Brasil:

escravosslaves
engenhosplantations
cana-de-açúcarsugarcane
escravidãoslavery
serviços do campofieldwork
serviços do larhousework
turbulênciaturmoil
aboliçãoabolition
tráfico negreiroslave trade
leis escravistasslavery laws
movimento abolicionistaabolitionist movement
ativistaactivists
lei áureagolden law
efeitos da escravidãoeffects of slavery
golpe de estadocoup d’état
preconceitoprejudice
injustiçainjustice
desculpaapology
barreirasbarriers
oportunidadesopportunities
desigualdadesinequalities

Isso é tudo! Espero que você tenha gostado de conhecer esse grande pedaço da história brasileira. Agora você sabe qual país recebeu o maior número de escravos da África e tudo sobre a escravidão e a abolição da escravidão no Brasil. Aprendemos sobre o comércio de escravos no Brasil, quantos escravos foram trazidos para o Brasil e para os EUA e como era a vida dos escravos com uma foto da história da escravidão no Brasil. Todos eles são fatos importantes de nossa história que trouxeram efeitos sociais para nossos dias atuais. Se quiser saber mais, por que não se juntar a nós nas aulas de português on-line? Talvez possamos até ler Navio Negreiro e discutam juntos, compreendendo os efeitos da escravidão e do tráfico de escravos no Brasil!

Vejo você na próxima Dica!

Clique nos links abaixo para ver mais Dicas relacionadas:
História da Capoeira no Brasil
História da Independência do Brasil
Candomblé no Brasil

This post is also available in: English (Inglês) Português Español (Espanhol)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Busque dicas em português

Escreva a lição de português que você gostaria de aprender!

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors

Inscreva-se na Dica do Dia

Obtenha aulas gratuitas de português. Inscreva-se na Dica do Dia e ganhe diariamente pequenas aulas de português para estrangeiros grátis.

EXCELLENT rating
Based on 321 reviews
I’ve just started online classes with Prof. Ana Carolina & she is the absolute best! It’s my first time learning Portuguese and I was speaking full sentences in the first class. Obrigada!
Katie Andrews
Katie Andrews
2023-12-14
Small classes, diverse accents, and engaging professors make Rio & Learn Online a fantastic choice! I've been thrilled with my experience at Rio & Learn Online so far. The small class sizes (around 1-3 others students) allow for personalized attention and plenty of opportunities to practice speaking. What's more, having different professors throughout the program exposes you to various accents, preparing you for real-world interactions. I opted for the full-time program, which involves 2 hours of daily learning from Monday to Friday. After just over 12 weeks, I can confidently say my Portuguese has improved dramatically. The professors are incredibly engaging and encourage students to utilize real-life examples, solidifying the learning process. While I'm only halfway through the program, I'm confident in recommending Rio & Learn Online to anyone seeking to learn Portuguese in a supportive and effective environment. I've gone from being a complete beginner (only knowing hi and bye) to holding conversations - and I'm excited to see how much further I can progress! I'll be back with another review after completing the program, but for now: Rio & Learn Online - highly recommended!
Mona Hinamanu
Mona Hinamanu
2023-12-12
I have been taking Portuguese classes with Rio and Learn for a few months. I appreciate their methodology. It is enjoyable and I am challenged and improving every day!
Bryan Beaver
Bryan Beaver
2023-12-12
My teachers Lucas, Ana Paula and Paulo were all excellent as well as very friendly and funny. It was a really enjoyable experience and I met loads of interesting new people.
David Smith
David Smith
2023-12-11
Rio & Learn e um novo jeito de ensinar a lingua portuguesa. Puro prazer e muito eficiente. Quanto mais alunos na aula mais vida. Eu aconselho voces escolher as aulas grupais por porque sao interativas: rir, falar, argumentar, compartir uma lingua!
Dominique Jacquin
Dominique Jacquin
2023-12-06
Après 3 semaines que je suis dans cette école et je peux déjà parler portugais. Certe avec des erreurs mais j'ai fait des progrès fulgurant. En plus, du Lundi au Vendredi l'ecole propose des activitées qu'il appelle "Rio Live" ce qui permet de visiter en même temps Rio tout en parlant Portugais et de rencontrer des gens😃 Toute l'équipe est genial et est prêts à aider si besoin 😁
YOAN REMIA
YOAN REMIA
2023-12-05
I've been taking the group online courses with Rio&Learn for 2 months. They offer a fantastic way to learn Portuguese and get speaking practice if you don't live in Brazil. The teachers are engaging and are able to adjust their level of Portuguese to whatever level you are at. Obrigado!
Jake H
Jake H
2023-12-04
C'est vraiment fantastique...RioAndLearn. Les cours de portugais...ça vaut vraiment la peine. Les cours ont lieu du lundi au vendredi, (de 9h à 13h) et en après midi, ce sont des activités libres en groupe. (Soccer de plage, volleyball , excursions, visites des lieux touristiques, etc) Vendredi soir, on est allé à Lapa, un quartier nocturne de Rio. C'est quelque chose à voir! Des rues bondées de monde, des orchestres, des discothèques...Allô les décibels! L'apprentissage du portugais se fait en immersion, aussi bien en salle de classe que dans les activités extérieures organisées par Rio&Learn. On est plongé dans la langue portugaise et la culture Brésilienne.... Obligé de parler portugais....🫡 Je le recommande. Pierre Pedro, Montréal, Canada
M54 “M5454” 54
M54 “M5454” 54
2023-12-03